Chapada Diamantina

Prefeito de Morro do Chapéu descumpre ordem judicial

Prefeito de Morro do Chapéu descumpre ordem judicial

A Justiça da Bahia proferiu sentença contra o prefeito do município de Morro do Chapéu, Leonardo Dourado, o Léo Dourado, nesta quarta-feira (29). O gestor é acusado de impedir o trabalho da vice-prefeita, Juliana Araujo, negando a ela o acesso ao gabinete de trabalho e não permitindo a nomeação dos servidores.

Na ordem judicial, a juíza Karoline Cândido Carneiro determina que o prefeito Léo Dourado garanta o acesso de Juliana Araujo ao seu gabinete, com toda infraestrutura necessária ao exercício das suas funções, em local de acesso a comunidade local, além de ordenar a nomeação dos servidores indicados pela vice-prefeita.

A juíza determinou multa diária de R$ 1 mil, pelo descumprimento da liminar. A magistrada ordenou ainda o envio de ofício à Procuradoria de Justiça da Bahia, mais especificamente ao Núcleo de Investigação dos Crimes Atribuídos a prefeitos (CAP), para apurar a prática de crime de responsabilidade por parte do prefeito de Morro do Chapéu, assim como ao Ministério Público, para investigar ato de improbidade administrativa.

A recente sentença da juíza Karoline Carneiro é a confirmação da medida liminar determinada em julho pela mesma magistrada. Até hoje o prefeito Léo Dourado não nomeou todos os funcionários aos quais a vice-prefeita tem direito, além de não devolver a sala de trabalho. Por pura picuinha política, prefere pagar multa diária de R$ 1 mil.

Ainda na sentença, a magistrada escreve que “a diligência de constatação realizada pelo oficial de justiça evidencia que o local de trabalho da impetrada (vice-prefeita) foi bloqueado para reformas e, assim, o exercício de suas funções foram inviabilizadas”. Sobre a nomeação dos servidores, a juíza conclui que “embora não haja previsão expressa na lei municipal, é óbvio que a altitude constitucional do cargo de vice-prefeito e grau de confiança que deve possuir os servidores de gabinete impõe que as indicações sejam realizadas pelo próprio impetrante”, no caso a vice-prefeita.

Evocando o princípio da razoabilidade, a juíza sentencia que “os cargos e as funções de confiança vinculados a determinado gabinete devem ser preenchidos por pessoas da confiança do titular do gabinete”.

Fontes: Sites Bahia Notícias e Jornal da Chapada

 

Site02

6 de dezembro

Nenhum comentário

[supsystic-social-sharing id="1"]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *